Visitantes on-line: 1 Sexta-feira, 28 de novembro de 2014.
Home
Sobre a SBPJ
Benefícios
Filiação
Notícias
Artigos
Diretoria
Associados
Membros de Honra
Áreas de Atuação
Bibliografia indicada
Convênios
Vídeos
Comunicados
Reuniões
Links
Contato

 
 

 

Veja a lista de livros indicados

Manual de Psicologia Jurídica para Operadores do Direito

Parto Anônimo: Uma Origem na Obscuridade frente aos Direitos Fundamentais da Criança

Psicologia Judiciária para Carreira da Magistratura

Crianças - Vítimas de Violência

Medo

Psicologia Jurídica

Só é preso quem quer

O presente trabalho, ao contrário dos demais, não se dirige tão somente ao público jurídico, uma vez que o autor, com o brilhantismo que lhe é peculiar, quis dar uma resposta à população em geral no que diz respeito às deficiências do sistema criminal brasileiro.
Quase que diariamente nos deparamos com notícias de fatos que envolvem crimes graves. Como regra, os parentes das vítimas, ao serem entrevistados pelos meios de comunicação, clamam por justiça. Essa palavra – justiça – encontra-se em um processo de profundo desgaste. Hoje em dia, a população já não mais acredita que a justiça será feita, uma vez que, como quase sempre acontece, os ricos permanecem soltos, e os pobres presos, mesmo que por fatos de pouca ou nenhuma significância.
O autor, atento a esses acontecimentos, traz ao público sua visão crítica, fazendo uma incursão perfeita sobre os mais interessantes e diversos temas envolvendo o ‘mundo do crime’, (...) nos permite fazer um passeio pelo sistema criminal brasileiro, respondendo às indagações de um público que não está acostumado com o chamado ‘juridiquês’.
O livro tem o mérito, portanto, de fazer com que a população entenda, de forma clara e precisa, as ‘mazelas do direito penal’, por que ricos e pobres são tratados de forma diferente, por que a justiça é lenta e injusta, ou seja, traduz, como um verdadeiro conhecedor do tema, aquilo que os juristas preferem ocultar.

(Rogério Greco, procurador de Justiça, autor de obras de Direito Criminal)

PSICOPATIA: a máscara da Justiça

Autores: Jorge Trindade
Ano de Edição: 2009
Páginas: 179

Os autores buscam reconhecer a psicopatia como um construto composto por múltiplas variáveis, características e conotações, eles realçam aspectos que os operadores do direito, os psicólogos, os psiquiatras e os assistentes sociais, enquanto colaboradores dos sistemas de justiça e de administração, precisam conhecer para promoverem o adequado manejo de situações que, de forma direta ou indireta, envolvem indivíduos com indicadores que conformam a psicopatia, seja pela vertente relacional e interpessoal, seja pela prática de comportamentos anti-sociais.


Delinqüência Juvenil: Compêndio Transdisciplinar

O fenômeno da delinqüência juvenil reclama um redimensionamento global do pensamento, que deve estender-se além das normas legais. Uma conduta tão complexa como a do ser humano não pode ser compreendida se não formos capazes de relativizar nossas próprias normas, se não soubermos nos colocar no lugar do outro e não nos aproximarmos de sua vida da maneira mais isenta possível de nossas parcialidades. Em outras palavras, se não formos capazes de nos reconciliarmos com nossa própria infância. A solução do problema talvez esteja na busca, não de castigos alternativos, mas de alternativas ao castigo.

Direito da Criança e do Adolescente: uma abordagem Multidisciplinar

O grande desafio desta coletânea é constituir um espaço capaz de fomentar estudos e discussões que habilitem os operadores do direito a enfrentar a polifonia da problemática social moderna. Nesse sentido, o tema escolhido para esta edição, Direito da Criança e do Adolescente, corresponde integralmente à proposta, por sua importância e complexidade.

Pedofilia

Conclusões terminativas sobre o tema da pedofilia são difíceis. Entretanto, parece não haver dúvida de que pedófilos representam um grande risco para a criança, para a família, para a sociedade e para a justiça, uma vez que é tormentoso encontrar o equilíbrio entre castigo justo, segurança social e reabilitação. Direito e psicologia precisam urgentemente dar as mãos, se não quiserem oferecer uma leitura simplista e unilateral para um fenômeno tão complexo como o da pedofilia.


Incesto e Alienação Parental
Realidades que a justiça insiste em não ver

Duas realidades aparentemente diferentes são tratadas pelos seus pontos de contato nesta obra pioneira e corajosa: o incesto - o segredo de família mais bem guardado, mas cujos números são assustadores, em todos os níveis socioeconômicos e a alienação parental - síndrome que resulta da destruição, desmoralização, descrédito do ex-cônjuge por parte da mãe/pai que ficou com o filho na separação, pela denúncia de falso abuso sexual ou de maus-tratos e pela implantação de falsas memórias na criança.

Os temas recebem tratamento multidisciplinar, e sua discussão para o Direito, além da conscientização sobre sua incidência e gravidade, visa trazer subsídios para alguns procedimentos delicados, como a inquirição de crianças e a operacionalização das visitas. A obra inclui a transcrição de um projeto de lei para alteração do Código de Processo Penal nesse sentido.

INTERPRETAÇÃO CONSTITUCIONAL: A TEORIA PROCEDIMENTALISTA DE JOHN HART ELY

  Leitura Sugerida

clique aqui e veja a relação de autores e livros sugeridos
  © Copyright 2009 SBPJ Sociedade Brasileira de Psicologia Jurídica